O que é o PIX? O que saber antes de se cadastrar?

O mercado brasileiro de imóveis, experimenta um período de alta e em breve deve ficar mais seguro. Isso por conta de uma das grandes promessas de inovação para o setor financeiro do país. Trata-se do PIX, ou Sistema de Pagamentos Instantâneos.

Lançado pelo Banco Central, o PIX é uma tecnologia que deve centralizar as transações financeiras no Brasil. Assim, já conta com 677 empresas cadastradas, incluindo os maiores bancos operantes no país.

O tipo de inovação prometida pelo PIX é de especial interesse para o mercado imobiliário. Afinal, um dos pontos mais importantes na administração de um imóvel é exatamente a gestão de financeira.

Esse sistema de pagamentos chega em um momento oportuno, pois atende a tendência de digitalização cada vez maior no mercado imobiliário.

Mas para entendermos as vantagens do PIX temos que compreender no que consiste esse sistema de pagamentos. É o que veremos nesse artigo.

O que é PIX? É um aplicativo?

De acordo com o próprio Banco Central, o PIX é um sistema de pagamentos centralizado. Ele oferece uma infraestrutura unificada para a resolução de operações instantâneas no país.

O impacto que esse novo sistema de pagamentos terá na economia do país será grande. Por ele unificar as operações bancárias e financeiras, as transações e pagamentos prometem ficar mais dinâmicos. Ações como uma transferência de um banco a outro podem durar apenas alguns segundos.

Embora permita uma melhor integração à economia digital, o PIX não é um aplicativo. Trata-se de um serviço que pode ser oferecido pelos bancos e empreendimentos financeiros que aderiram ao sistema.

Dessa forma, você pode se cadastrar através do aplicativo do seu banco ou carteira virtual. O Banco do Brasil, a Caixa Econômica, o Itaú, o Santander e o Bradesco já oferecem o PIX como serviço.

Como funciona o PIX bancário e quais as vantagens?

O registro do PIX em uma instituição bancaria consistirá no uso de uma chave de identificação, ou Chave PIX.

O usuário pode usar a chave através do aplicativo do banco ou da carteira eletrônica e gerar um código QR.

Por via das informações já contidas no código, o PIX permitirá transações e pagamento em débito de forma instantânea. Assim, elimina a burocracia típica das operações financeiras.

Essa simplicidade promete tornar ultrapassados os TEDs e DOCs. O mesmo pode ser dito dos boletos bancários.

O PIX também funciona fora dos limites dos atendimentos bancários. Permitindo que as operações sejam realizadas em qualquer dia da semana e qualquer hora.

Como me cadastro no PIX? Quando começa?

Através do sistema bancário, você só precisa optar entre oferecer seu CPF ou CNPJ, e-mail, número de celular ou endereço de pagamento virtual (EVP). Com um desses meios de identificação você conseguirá uma Chave PIX.

Lembrando que, para realizar as transações por este método, o usuário deverá ter alguma conta corrente, poupança ou carteira eletrônica.

A oferta da Chave PIX pode ser feita em mais de um banco. Para cada uma das formas de identificação pode-se criar uma nova chave. Porém, só é permitido uma Chave PIX por identificação dentro da instituição cadastrada.

O funcionamento do sistema PIX está previsto para o dia 16 de novembro. Mas desde o começo de outubro o sistema está disponível para cadastro de pessoas físicas e jurídicas.

Será cobrado algum valor? Há limite para a transferência?

A criação de uma Chave PIX é gratuita, não podendo o banco cobrar qualquer taxa de inscrição.

Trata-se de um mecanismo mais econômico que os demais meios de transação. Para pessoas físicas, os pagamentos e transferências são gratuitos e livres de taxas.

Já para pessoas jurídicas pode haver algum custo por conta das etapas de transação de recebimento financeiro. Isso acarreta que a taxa de Merchant Discount Rate (MDR) ainda seja cobrada. Mas como o PIX torna mais simplificado esse processo, seu custo deve ser mais barato do que nas transações comuns.

É obrigatório ter conta em banco?

Não exatamente. Aplicativos de Fintechs e carteiras virtuais são alternativas para quem quer usar o PIX sem recorrer a um banco.

Serviços como o PicPay, Mercado Pago e PagBank, dentre outros, também oferecem o PIX para realizar operações.

Conclusão

Tudo indica que o PIX pode potencializar o mercado financeiro como nunca antes. Não por menos, as instituições financeiras aderiram de forma tão entusiasmada ao novo sistema de pagamento.

Enfim, a novidade do sistema de pagamentos PIX beneficia também o mercado imobiliário, tornando mais produtiva a gestão patrimonial.

Gostou no nosso artigo de hoje? Compartilhe em suas redes sociais essa novidade sobre o novo sistema de pagamentos bancários PIX.

Aproveite e veja em nosso Blog outros artigos sobre o mercador imobiliário em SP. A Verti Imóveis disponibiliza excelentes conteúdos para quem quer investir ou morar em São Paulo. Veja nossos artigos sobre:

Esse é o momento oportuno para adquirir seu imóvel

Nova geração de compradores de imóveis: quem são e como se comportam?